O conhecimento é um tesouro, mas a prática é a chave para alcança-lo. (Thomas Fuller)

domingo, 15 de setembro de 2013

Como um quadro de R$ 505 passou a valer R$ 36 milhões

Uma pechincha: essa é uma das maneiras de caracterizar a compra feita pelo médico da marinha britânica William Glossop Thwaites, no ano de 1962. Ele pagou exatamente 140 libras (aproximadamente 505 reais na cotação atual) por um quadro que retrata um jogo de cartas, intitulado “Os Trapaceiros”.
Ele se tornou o proprietário da obra e passou a mesma adiante para seus herdeiros. Até que, em 2006, o quadro foi leiloado, dessa vez por 42 mil libras (R$ 151 mil, em valores atuais), depois que especialistas contratados pelo site de leilões Sotherby’s disseram que se tratava de uma cópia de um quadro de Michelangelo Merisi da Caravaggio, pintor italiano que morreu aos 38 anos, em 1610.

Mas a vida é mesmo uma caixinha de surpresas: mais tarde, o colecionador e historiador britânico Denis Mahon, que arrematou o quadro no leilão, afirmou que a pintura era, de fato, original. Ela foi reavaliada, e atualmente acredita-se que seu valor é de 10 milhões de libras (36 milhões de reais). Os herdeiros de Thwaites, que comprou a pintura em óleo sobre tela há cinco décadas, estão exigindo da casa de leilões o restante da fortuna correspondente à avaliação atual da mesma.
O quadro, que tem um nome um tanto quanto apropriado: Os Trapaceiros
Trabalhos originais de Caravaggio são muito raros – esse é o motivo da grande valorização de suas pinturas que são colocadas à venda. Não se tem notícia de nenhum de seus quadros que tenha sido comprado ou leiloado no último século. A casa de leilões defende a tese de que trata-se de uma cópia, o que, de acordo com eles, é comprovado pela avaliação de vários especialistas. O caso irá a julgamento em Londres no ano que vem.


Fonte: Bloomberg.